E SE O FLA-VASCO JÁ TIVESSE A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO FUTEBOL?

A polêmica do final de semana fica por conta do Campeonato Carioca, mais precisamente no clássico Vasco x Flamengo, que terminou com vitória rubro-negra, no finalzinho, com gol de Gabriel. O Vasco abrira o placar ainda no primeiro tempo com Fellipe Bastos, mas o Flamengo conseguiu o empate após o polêmico gol de Elano.

Falando em polêmica, o movimentado clássico foi cercado delas. A partida foi violenta até certo ponto porque o árbitro Eduardo Guimarães deixava o jogo correr; mas o maior erro foi quando o estreante Douglas cobrou falta com perfeição, a bola bateu no travessão, caiu dentro do gol de Felipe e saiu logo após. O mais normal seria ter dado gol ao novo camisa 10 vascaíno, porém o lance seguiu normalmente, como se nada tivesse acontecido. O auxiliar Rodrigo Castanheira, que estava ao lado da baliza defendida pelo arqueiro do Fla, não conseguiu ver a bola entrar. A redonda entrou, entrou muito, e o Vasco acabou sim prejudicado.

Pouco tempo depois, no outro lado, na meta defendida por Martin Silva, lance parecido originou o gol do Flamengo marcado por Elano. O meia cobrou falta, o goleiro uruguaio defendeu, entretanto a pelota já havia ultrapassado a linha fatal, portanto gol do Mengo.

Caríssimo leitor, estamos no século XXI, com a tecnologia a todo vapor, existem 800 árbitros espalhados pelo gramado, e mesmo assim um deles não viu a bola entrar??? A adrenalina do jogo, a rapidez não lance…nada pode servir de desculpa para o patético erro do bandeira. Quem assistiu ao jogo pela TV, viu na hora que foi gol do Vasco. Lamentável que erros assim continuem acontecendo.

Está mais do que na hora da Fifa implantar de vez o que já vem sendo adotado no Campeonato Inglês, ou seja, o uso da tecnologia a favor do futebol. Dia desses, em partida válida pela 26ª rodada do campeonato disputado na terra da rainha, o Southampton conseguiu uma vitória sobre o Hull City graças à tecnologia de linha de gol, que atestou o tento marcado português José Fonte em favor dos Saints. Essa tecnologia deve ser testada na Copa do Mundo.

Me pergunto por que não testar antes? Por que não testar esse tipo de coisa em campeonatos estaduais, onde o peso é menor? Ontem foi um clássico, mas amanhã pode ser uma final de campeonato. Erros assim não podem prejudicar uma equipe, ainda mais como foi com o Vasco, superior ao Flamengo praticamente o jogo todo.

Erros como os que ocorreram no clássico só atrapalham o bom andamento do jogo. O resultado seria com certeza seria outro caso a tecnologia fosse usada. Está na hora da Fifa ou até mesmo a FERJ, que adora uma inovação, pensarem em alternativas para que todo um trabalho realizado por semanas não seja jogado fora por conta do erro de um árbitro “cegueta”.

 

Por Fernando Mattos